SAI DE TUA TERRA E VÁ PARA A TERRA QUE TE MOSTRAREI”

Publicado: 9 de dezembro de 2010 em Teologia prática

Texto Bíblico: Gênesis 12: 1
“ORA, o SENHOR disse a Abrão: Sai-te da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei”.

A ordem de Deus a Abrão foi clara: “Sai da tua terra e vá para outra terra que eu te mostrarei.”

É interessante que Deus convidou um homem essencialmente urbano para fazer a sua vontade quanto a formação do seu povo. Não sei se todos tem essa consciência.

Mas Abrão cresceu em UR dos Caldeus… provavelmente, de acordo com pesquisadores, ele deveria ter morado em uma das casas aristocráticas de dois andares. Devia ter passeado junto aos muros do grande templo e pelas ruas, e, levantando a vista, seu olhar devia ter encontrado a gigantesca torre escalonada com seus cubos pretos, vermelhos e azuis circundados de árvores. Ele foi cidadão de uma grande cidade e herdou a tradição de uma civilização antiga e altamente organizada. As próprias casas denunciavam conforto, até mesmo luxo. Encontramos cópias de hinos relativos aos cultos do templo e, juntamente com eles, tabelas matemáticas. Nessas tabelas havia, ao lado de simples problemas de adição, fórmulas para a extração das raízes quadrada e cúbica. Em outros textos, os escribas haviam copiado as inscrições dos edifícios da cidade e compilado até uma resumida história do templo.

Portanto, Abraão não era um simples nômade: era filho de uma metrópole do segundo milênio antes de Cristo.
Abrão vai para Canaã, a antiga denominação da região correspondente à área do atual Estado de Israel (inclusive as Colinas de Golã), da Faixa de Gaza, da Cisjordânia, de parte da Jordânia (uma faixa na margem oriental do Rio Jordão), do Líbano e de parte da Síria (uma faixa junto ao Mar Mediterrâneo, na parte sul do litoral da Síria) conf. (Números 34:1-15 e Deuteronômio 3:8).

Portanto, é mandado para uma região de várias cidade.

Tudo isto nos faz pensar que a cidade está no coração de Deus e por isso ele chama a sua igreja, para que uma vez tendo a “cultura urbana” possa transitar entre cidades levando o evangelho que transforma qualquer estrutura social porque transforma o indíviudo em sua essencia.

As Igrejas de nossas cidades precisam entender que são urbanas. Elas são os Abraãos contemporâneos. Isto significa dizer que elas precisam mover-se para as cidades.

A missão da igreja deve ser realizada nas cidades.
1 – As cidades são o lugar onde as Igrejas podem alcançar a próxima geração (jovens adultos querem viver na cidade);
2 – As cidades atingem mais pessoas inacessíveis (as pessoas são muito mais abertas ao Evangelho na cidade cosmopolita do que em sua cidade natal);
3 – As cidades alcançam as pessoas que têm um grande impacto no mundo (empresários, artistas, políticos);
4 – As cidades atingem os pobres (cerca de um terço dos moradores da cidade vivem em favelas).
5 – “Os seres humanos, de acordo com Gênesis 1, são feitos à imagem de Deus e refletem a glória de Deus mais do que qualquer outra coisa na criação,”

Nas cidades, temos mais imagem de Deus por centímetro quadrado do que em qualquer outro lugar do mundo.
As igrejas urbanas entendem que precisam amar o que Deus ama e por isso amam a cidade.

Temos que ver a cidade não apenas do ponto de vista sociológico, mas principalmente pelo ponto de vista teológico – Deus quer restaurar a sua cidade, tornando-a cidade fiel.
Quais os desafios de uma igreja urbana?

1 – Igrejas urbanas precisam ser contextualizadas, a fim de serem eficazes. Uma Igreja urbana é diferente de uma Igreja na zona rural. Ela deve insistir em sua contextualização.
Uma Igreja urbana, que tem pessoas de muitas culturas, subculturas, tribos deve ser extremamente paciente quanto às acusações de insensibilidade cultural e deve esperar ser acusada disso. Pastores de Igrejas urbanas devem aceitar que eles nunca poderão resolver queixas de insensibilidade cultural, mas que eles podem aprender com as críticas.

2 – Igrejas urbanas precisam mostrar às pessoas como sua fé se relaciona com seu trabalho porque os empregos são uma parte muito maior da vida de moradores urbanos.
Temos que ajudar as pessoas a aplicarem a sua fé no seu trabalho.

3 – Igrejas urbanas precisam esperar desorganização e mudanças; serem intensamente evangelísticas, mas ao mesmo tempo, famosas por sua preocupação com a justiça, serem comprometidas com as artes, e cooperarem com outras denominações e fé.

4 – Igrejas urbanas precisam agir com gestos e ações específicas
a. Fome, a ausência de alimento suficiente, ou a falta de uma boa alimentação, ainda é uma realidade para a população urbana pobre. Mas o memorial do culto cristão é a ceia da comunhão: as pessoas se reúnem para ser alimentadas à mesa do Senhor. Os cristãos partem o pão e bebem o vinho juntos, simbolicamente proclamando que a igreja é uma comunidade onde os alimentos, celestiais e terrenos, estão disponíveis. Uma comunidade que chama seu Senhor, o pão da vida e cria uma refeição simbólica, a Ceia, que, naturalmente, transborda para outros ministérios de alimentação, tais como cozinhas e cantinas e doações de alimentos. Com e através da Ceia e o alimentar, a igreja urbana deve proclamar o evangelho que sacia os famintos que estão fora;

b. A cidade é caracterizada por más instalações educacionais. Um grande entrave para a reforma da base econômica da cidade é a falta de vontade de quem pode pagar para fazer o contrário de submeter seus filhos à insuficiência de escolas urbanas. Contudo, no meio da cidade está uma igreja que é o descendente da sinagoga judaica, que era principalmente um centro de ensino. A igreja capacita o seu povo e traz para a vida da tradição cristã, permitindo que o nosso património se tornar uma força no nosso presente. Aqui as questões morais da vida podem ser explorada. Na igreja dos valores étnicos dos diversos povos podem ser comemorados, suas línguas e culturas diferentes, enriquecendo o outro. É vital para a igreja urbana levar a sério sua função de ensino como uma comunidade cristã, consciente si mesmo. Aulas de Bíblia, sermões eficazes, grupos de estudo, conferências de fim de semana, mesmo retiros precisam ser uma parte da crescente consciência de Deus das congregações da cidade. O Deus que se opunham à guetização dos escravos israelitas do Egito é o mesmo Deus que é adorado nas igrejas da cidade. O Deus que falou através dos profetas para acabar com a opressão humana ainda é o Deus de toda a igreja. A história bíblica continua na vida existencial dos moradores da cidade;

c. A vida urbana não é bonita. A coleta de lixo é geralmente pobre. Lixo nas ruas. Muitas casas estão em más condições. Muitas pessoas da cidade são tão deprimidas que elas deliberadamente preenchem suas vidas com a feiura, como um comentário inconsciente na forma como elas se sentem valorizadas por outros.  Por isso, é especialmente importante que as igrejas da cidade sejam locais de beleza.  Suas ordens de cultos, liturgias devem ser sensíveis e magníficas.  O dinheiro gasto para embelezar os templos urbanos não deve ser considerado desperdiçado, porque a beleza é um dom que cobiçam os pobres.  As igrejas precisam  testemunhar o poder da beleza e do sentido de cuidar do ambiente de maneira limpa. Uma Igreja Urbana precisa brilhar como centros de beleza, como símbolos de esperança, como sinais do Reino.  Eles precisam estar vivendo parábolas do cuidado de Deus;

d. A cidade tem cada vez mais se tornado um lugar de violência. Crimes contra pessoas e bens faz temer o morador da cidade. A vida se restringe quando as pessoas devem procurar a segurança acima de realização. Mas no meio da cidade está uma igreja – uma igreja que é, em si, às vezes vítima de violência e cuja principal símbolo é uma cruz. A história da cruz se desdobra, nela se encontra um amor divino que supera o ódio, e um Senhor vivo que transforma a morte. Somente na igreja que o morador da cidade ver o símbolo da violência redimida, o desespero da morte derrotada. Por todas estas razões, a presença simbólica da igreja da cidade é necessária à causa de Cristo – e, desde que necessário, merece o apoio e o investimento de, tempo e talento de todos os tesouros do povo de Deus;

e. Na cidade, onde encontrar moradia adequada e segura é uma preocupação constante, é como uma casa – uma casa de Deus – que a igreja realiza o seu testemunho. Ela precisa ser o que a moradia significa para as pessoas: um refúgio, um abrigo, uma arca para levar-nos através da tempestade. Embora a igreja não tenha nem o poder nem os recursos para resolver problemas de habitação urbana, pode ser uma casa acolhedora para os sem-teto, uma casa para aqueles que foram traumatizados, um refúgio para aqueles que estão perdidos. Pode ser a casa do último recurso, quando as estruturas habitacionais falharem, a casa de Deus para aqueles que procuram deve ser um lar abençoado;

Nós somos a igreja do Senhor encarnado que amou tanto o mundo que nasceu em nossa vida humana, sua presença virou um estábulo comum em um santuário de majestade. Sua vida transformou uma cruz de execução em um símbolo da ressurreição. Porque nós servimos a este Senhor, a igreja cristã é uma presença simbólica que pode transformar o desespero da cidade em esperança, a feiura da cidade, em beleza, o poder destrutivo da cidade, em redenção. Na igreja os sem-teto devem encontrar abrigo, aqueles de diversas origens, devem ser-lhes dados uma comunidade e os famintos podem se reunirem em torno do altar para serem alimentados com o pão e o vinho da Ceia do Senhor Jesus Cristo.

A igreja é uma presença, um posto avançado do Reino de Deus, uma luz na escuridão que as trevas jamais poderão extinguir ou subjugar.

Nossa vocação é sermos nós mesmos. Algum dia mais cristãos dos subúrbios, das cidades reconhecerão que este testemunho é profundamente importante para eles. Então, talvez, toda a igreja irá colocar os seus recursos onde a necessidade está, não porque somos generosos, mas porque a nossa integridade como povo de Deus exige.

A igreja será verdadeiramente urbana.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s